Cunho participativo, de educação popular cidadã e socioambiental.

Nascida em 20 de março de 1998, no bairro Zumbi dos Palmares, em Manaus, pelo seu fundador, Rubens Gomes, o primeiro projeto da OELA foi a lutheria, produção de instrumentos musicais de cordas dedilhadas e caixa de ressonância, com uso de madeiras amazônicas manejadas e certificadas pela Forest Stewardship Council (FSC), conseguinte desenvolve atividades relacionadas a música, arte, esporte, educação ambiental, qualificação profissional, atendimento psicossocial, protocolos comunitários, além de participações importantes em espaços de efetivação de políticas públicas na área da infância, adolescência, meio ambiente e povos e comunidades tradicionais.

Reconhecimento global

A consolidação local e reconhecimento global da OELA, a tornaram respeitada pelo seu engajamento e atuação em projetos socioambientais inovadores, que visam unir forças com a comunidade local, sociedade civil e entidades internacionais no resgate de crianças, adolescentes, jovens e os povos da Amazônia, encaminhando-os a futuros promissores.

Centro de oportunidades

Proporcionando há 21 anos um centro de oportunidades, se esmerando em construir modelos de uso sustentável dos recursos naturais, desenvolvendo processos educacionais diferenciados e inovador com um olhar holístico voltado ao aproveitamento racional dos produtos da sociobiodiversidade (a OELA obteve o certificado de reconhecimento pelo MEC em 2015, como uma das organizações que promovem a inovação e a criatividade no ensino de base do país).