Queimadas na Amazônia ainda podem piorar, diz NASA

0

Brasil está sendo alvo de uma grande ofensiva midiática com base nas tradicionais queimadas que assolam a região amazônica todos os anos.

 

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou 72.843 incêndios este ano no Brasil.

“Um aumento de 80% em relação ao ano passado”, grita a velha imprensa ao se deparar com as informações do Inpe.

Mas este número é realmente alarmante?

Em texto publicado dias atrás no site “Earth Observatory“, a NASA, agência espacial dos Estados Unidos, fala sobre o início da temporada das queimadas na Amazônia.

Após uma breve explicação sobre os motivos envolvidos na proliferação de incêndios nesta época do ano no país, a NASA afirma:

“A partir de 16 de agosto de 2019, observações por satélite indicaram que a atividade total de incêndio na bacia amazônica estava ligeiramente abaixo da média em comparação com os últimos 15 anos.”

E acrescenta:

“Embora a atividade tenha sido acima da média no Amazonas e, em menor escala, em Rondônia, ela tem sido abaixo da média em Mato Grosso e Pará, de acordo com o Banco Mundial de Emissões de Incêndio.”

Já nesta quarta-feira (21), em mensagem no perfil oficial da NASA no Twitter, a agência afirmou que “embora seja estação de fogo no Brasil, o número de incêndios pode ser recorde”. Nenhuma estatística foi apresentada para embasar a suposição.

Enquanto isso, nas redações dos grandes jornais internacionais e nacionais, a narrativa sendo desenvolvida é que o Brasil está em chamas e que o grande culpado é o presidente da República, Jair Bolsonaro.

“Amazônia está pegando fogo em taxas recordes. As chamas são tão grandes que a fumaça pode ser vista do espaço. Especialistas afirmam que os incêndios podem ter grandes impactos climáticos”, diz o site National Geographic em matéria publicada nesta quarta-feira (21).

Nas redes sociais, um alto número de informações falsas segue sendo compartilhado com o objetivo de danificar a imagem do Brasil no que diz respeito ao trabalho de conversação da maior floresta tropical do planeta.

Não resta dúvidas de que a Amazônia brasileira está sendo alvo de uma campanha de desinformação promovida por ativistas ambientais e veículos de imprensa.

Os incêndios, no entanto, são reais, sendo a maioria de origem ilegal:

Focos de incêndio* e áreas desmatadas** em 2019
Apuí (AM): 1.754 focos – 151 km²
Altamira (PA): 1.630 focos – 297,3 km²
Porto Velho (RO): 1.570 focos – 183,5 km²
Caracaraí (RR): 1.379 focos – 16 km²
São Félix do Xingu (PA): 1.202 focos – 218,9 km²
Novo Progresso (PA): 1.170 focos – 67,8 km²
Lábrea (AM): 1.170 focos – 197,4 km²
Colniza (MT): 869 focos – 82,4 km²
Novo Aripuanã (AM): 665 focos – 122,3 km²
Itaituba (PA): 611 focos, 67,8 km²

* Até 18 de agosto **
Entre janeiro e julho de 2019 Fonte: Ipam/Inpe… 
Fonte: uolnotícias

COMENTE ESTE POST...

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui