Pesquisa mapeia e pode ajudar na conservação da Jandaia-sol, ave ameaçada de extinção em RR

0

O verde e amarelo estampado nas penas da Jandaia-sol, ave típica de Roraima, estão ficando cada vez mais difíceis de serem vistos nos céu e árvores do estado, isso porque a espécie corre risco de extinção. Mas, dispostos a mudar essa realidade, pesquisadores da Universidade Federal de Roraima (UFRR) desenvolvem um estudo que pode ajudar na conservação da espécie.

A aratinga solstitialis, nome científico da ave, está na lista vermelha da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), indicador crítico da saúde da biodiversidade do mundo. Segundo o órgão, no Brasil a ave pode ser encontrada exclusivamente em Roraima onde se estima que existam 2,4 mil Jandaias-sol.

Conduzida pelo ecólogo Whaldener Endo, professor do curso de Biologia da UFRR, a pesquisa investiga as aves que vivem na capital Boa Vista. O trabalho de campo é feito pelos alunos Joseph Ataíde, de 22 anos, e Joyciana Lopes, de 24.

O estudo, em andamento há um ano, já identificou que as aves são encontradas principalmente no Centro e na região leste da cidade, áreas próximas aos rios Branco e Cauamé.

“O estudo consiste basicamente em tentar acompanhar os bandos que ainda existem aqui [em Boa Vista], além de estimar a densidade populacional da espécie e buscar entender como elas persistem. Para isso, é investigado como eles se alimentam e se reproduzem”, afirma Ataíde.

A ideia é descobrir se as que vivem na capital são remanescentes de populações da espécie que sempre viveram na região ou se são frutos exclusivos de reintrodução, ou seja, se foram soltas na área urbana após apreendidas.

Para alcançar estas respostas, os pesquisadores percorrem as ruas da cidade e tentam identificar os bandos. Ao longo de um ano da pesquisa, as aves foram registradas apenas três vezes.

“Esses são o locais em que mais se têm registro delas. Nessa região a gente observou uma grande quantidade de aves do mesmo grupo, que inclui papagaio, periquito, arara e maracanã”, disse Ataíde.

Ainda em andamento, o estudo revelou também que a alimentação da Jandaia-sol a partir de árvores frutíferas é o que tem contribuído para a permanência da espécie nesta região. Após finalizada, a ideia do grupo é publicar o estudo em uma revista científica e apontar políticas públicas que podem ser desenvolvidas para a preservação da espécie, junto a órgãos governamentais e não governamentais.

Foi observado, ainda, que a ave faz ninhos geralmente em palmeiras imperiais e postes de luz na capital.

A Jandaia-sol é nativa da savana, também chamado de lavrado, no Norte e Nordeste de Roraima. Além do Brasil, a espécie também pode ser encontrada, muito raramente, na Guiana e em alguns trechos da Venezuela, ambos países que fazem fronteira com o estado.

Além de ser um pássaro que chama atenção pelas cores vibrantes, a ave é bastante inteligente. Em contato com humanos, conforme explicou Joycene, ela tem até capacidade de desenvolver alguns comportamentos, como o de imitar voz.

O grupo de pesquisadores afirma que estudo serve para mostrar e valorizar a diversidade da região, mas também alertar para a possível perda de biodiversidade que ela vem sofrendo.

“Temos que levar para população o conhecimento de que essa espécie existe e que está em perigo de extinção. Como ela foi uma espécie muito traficada há décadas, a população pode ajudar na sua preservação na questão do tráfico, através de denúncias, por exemplo. E também baseado nas informações coletadas, ajudar na implementação de políticas públicas para a preservação da espécie, junto a órgãos governamentais e não governamentais”, explicou Joyceana Lopes.

A primeira etapa da pesquisa deve ser finalizada no segundo semestre de 2020. “Roraima é um estado como maior diversidade de ambientes na Amazônia brasileira, mas o número de estudos que foram realizados na região são muito poucos. E tem muita diversidade de vários grupos que estão sofrendo algum grau de ameaça”, finalizou Endo.

Fonte: Jackson Félix, G1 RR — Boa Vista
Foto: Arquivo pessoal/Joseph Ataíde

 

COMENTE ESTE POST...

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui