Nova espécie de sagui é descoberta no sudoeste do Pará

0

Uma nova espécie de sagui acaba de ser descrita no Brasil: é o sagui-dos-Munduruku. O animal pertencente ao gênero Mico foi descoberto pelo pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e Universidade Federal do Amazonas, Rodrigo Araújo, durante expedições de campo ao sudoeste do Pará.

“Ao todo, foram dez expedições de campo no meu trabalho de doutorado, sendo que quatro destas incluíram áreas no interflúvio do Tapajós-Jamanxim, região de Itaituba e Jacareacanga. Na primeira jornada por lá encontrei com esses saguis. Logo que observei com binóculos percebi que eles eram diferentes e que poderiam ser uma espécie nova”, conta.

A diferença que saltou aos olhos do estudioso, à primeira vista, foi a coloração dos pelos dos primatas. “O rabo deles eram totalmente brancos, e esta é uma condição muito incomum em primatas na América do Sul”, acrescenta.

O primeiro encontro com o grupo pequeno de três macacos foi em 2015 e, a partir daí, Rodrigo se dedicou a fundo às pesquisas para avaliar se os saguis encontrados em campo tratavam-se de uma nova espécie ou não.

Após anos realizando expedições em áreas do arco do desmatamento, diferentes exames com sequenciamento do DNA dos primatas, estudos sobre a distribuição geográfica e visita a museus do Brasil e do Exterior – onde foram comparadas a pelagem de exemplares de primatas tombados – a pesquisa foi concluída com sucesso.

Esse conjunto de ações comprovaram que este sagui é a mais nova espécie da Amazônia brasileira. A notícia foi confirmada, mas os estudos sobre o novo macaco só estão começando.

Os próximos passos são descobrir quantos saguis-do-Munduruku existem, avaliar o status de conservação deles, e coletar dados sobre comportamentos e dieta da espécie. É preocupante que, assim que descobrimos uma espécie nova, já precisamos nos preocupar com sua sobrevivência,

A falta de informações e estudos sobre os saguis da região amazônica levou o profissional a realizar a pesquisa de doutorado para identificar quantas espécies de saguis existem na Amazônia, quais são elas e onde estão distribuídas. Um dos objetivos do pesquisador é entender por que a diversidade na região é tão grande em relação a outras áreas.

Este trabalho é um sonho que ele tinha desde a infância e a grande descoberta dessa nova espécie foi a coroação dos esforços, tempo e recursos investidos ao longo de sua vida e dos quatro anos de doutorado.

“O doutorado foi a forma que eu encontrei de realizar o sonho da minha vida de, um dia, poder fazer um trabalho na Amazônia que pudesse colaborar com a preservação desse domínio. Esse trabalho por si só já é gratificante. Ser coroado com uma espécie nova, então, é fabuloso, uma emoção indescritível”, comemora.

Para Fabiano Rodrigues de Melo, professor do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade de Viçosa (MG) e coautor da descrição do sagui-dos-Munduruku, a descoberta da nova espécie é inovadora e serve de apelo à proteção das florestas.

“A descoberta é um fato incrível por si só, mas mostra o pouco que a gente conhece da biodiversidade. Por se tratar de um primata é algo inovador e mais inesperado ainda. A gente pode usar a descrição de novas espécies para melhorar o delineamento de proteção de áreas dentro da própria Amazônia.”, comenta.

Conhecendo melhor a biodiversidade temos mais condições de propor reservas, áreas protegidas para que tenhamos essa biodiversidade como um todo, protegida,

A pesquisa liderada por Rodrigo Araújo e os orientadores Tomas Hrbek e Izeni Farias contou com o apoio do Laboratório de Evolução e Genética Animal da Universidade Federal do Amazonas, e com a colaboração de diversos pesquisadores de universidades federais do Brasil e de institutos de pesquisa e conservação da Inglaterra e Estados Unidos.

Sagui-dos-Munduruku

O nome sagui-dos-Munduruku é uma homenagem aos indígenas Munduruku e faz referência à distribuição geográfica da espécie. 

Endêmico do Sul da Amazônia, o sagui ocorre em uma área de aproximadamente 120.000 km², a partir da margem esquerda do Rio Jamanxim, abaixo da foz do Rio Novo, até a margem direita do alto Rio Tapajós, abaixo da foz do Rio Cururu. “Aproximadamente metade da área de distribuição dos saguis cai dentro das terras dos Munduruku”, comenta o pesquisador Rodrigo Araújo.

Mas muito mais do que um nome, a menção traz ainda uma relação importante entre os indígenas e a espécie descoberta.

As florestas das quais ambos dependem estão sofrendo ameaças nessa área. Respeitar a terra indígena e, cumprir com o papel de proteção aos indígenas Munduruku é uma forma de proteger também os saguis e toda a biodiversidade da região
— Rodrigo Araújo

Ainda não é possível saber o status de conservação do sagui-dos-Munduruku, se é considerado vulnerável ou não, mas é fácil perceber quais são as principais ameaças à espécie. “A região onde eles ocorrem tem uma influência muito grande de garimpo de ouro, madeireiros, e produtores rurais. Há um grande desmatamento visivelmente ocorrendo no local”, afirma.

Proteção dos sagui

Além da pesquisa do doutorado, Rodrigo Araújo é coordenador de um projeto de proteção a estes primatas. “Criei o Projeto Saguis da Amazônia com o intuito de entender as ameaças às quais estas espécies estão sujeitas, e desenvolver estratégias para sua conservação e das florestas onde ocorrem, o que passa por aumentar a conscientização das pessoas sobre as espécies de saguis e a importância da floresta.”

Fonte: www.g1.com

COMENTE ESTE POST...

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui