Elefanta Ramba é recebida em Viracopos com reforço na segurança e faixa de ‘boas vindas’

0

A elefanta Ramba desembarcou no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), no início da manhã desta quarta-feira (16). O animal é o primeiro do tipo a ser recebido no terminal de cargas e exigiu reforço na segurança, além de uma megaoperação com guindaste, empilhadeira e uma equipe de 30 pessoas exclusivamente para atuar na recepção. A elefanta ganhou até faixa: “Seja bem-vinda ao Brasil”.

Ramba é a última elefanta de circo do Chile e o trâmite para que ela fosse transferida para o Brasil durou seis anos, dois deles só dedicados à logística da viagem. Há denúncias de que ela sofria maus tratos. 

A elefanta é asiática tem 53 anos e alguns problemas de saúde. Ela viajou por três horas em um boeing 744 vindo de Rancagua e chegou às 5h48 em Campinas. Pesa 3,6 toneladas e será levada via terrestre em uma carreta para o Santuário de Elefantes do Brasil (SEB), localizado na Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso.

Em vida livre, a expectativa de vida da espécie pode chegar a 70 anos.

O contêiner desembarcou do avião por volta de 6h30. Ele foi içado da aeronave por um guindaste e levado para a área de carga viva de Viracopos. A caixa não será aberta, nem mesmo para alimentar a elefanta.

Viajou acordada e sem sedativos

Voluntária do Santuário de Elefantes do Brasil, Titina Leão acompanhou o voo. Segundo ela, a viagem foi tranquila, Ramba veio acordada e não precisou de sedativos.

“Elefante é, na maior parte do tempo, um animal tranquilo, e ela estava acostumada a ser transportada, por conta do circo. Agora, finalmente, nós vamos conseguir libertá-la dessa punição, porque ficar presa é uma punição. Quando você comete um crime, você fica preso”, disse.

No contêiner, uma placa exibe uma homenagem às pessoas que fizeram doação para o santuário e também para elefantes que morreram em cativeiro ou que o santuário não conseguiu resgatar por conta da burocracia.

As equipes do aeroporto e do santuário trataram dos trâmites de importação com o Ibama, Receita Federal e Ministério da Agricultura logo após o desembarque. Feita a liberação, ela será colocada na carreta.

Durante esse processo, os lacres foram retirados para fazer a higienização da bandeja que fica embaixo do contêiner.

Viagem para Mato Grosso

Em relação à viagem para o Mato Grosso, as equipes do santuário disseram que a translado deve durar dois dias e será acompanhado pela Polícia Rodoviária.

Eles vão tentar parar o menos possível para não estressar o animal, mas já fizeram acordos com fazendas no caminho, caso ela precise descansar e se alimentar.

Na Chapada dos Guimarães, o santuário tem 1,1 mil hectares e está preparando a estrutura para receber mais elefantes. A área destinada a esses animais tem 30 hectares e é cercada. A alimentação é controlada e há espaço para eles brincarem com água.

Fonte: https://g1.globo.com
Fotos: Marcello Carvalho/G1

COMENTE ESTE POST...

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui