A importância da horta escolar na educação básica

0

O maior desafio dos educadores no século XXI é se adequar a maneira como os educados pensam para que o conteúdo seja absorvido de maneira satisfatória. Uma boa estratégia é trazer a prática para a aula, oportunizando que a teoria passada em sala ganhe exemplos reais e deixe assim de ser abstrata. 

Assim, o laboratório de ciências, com suas experimentações, as pesquisas na comunidade e ambientes como a horta escolar são exemplos de boa aplicabilidade dessa intencionalidade de tentar levar os educandos a saírem do campo teórico e adentrarem, de alguma forma,  na prática. Considerando que nem sempre é possível ter laboratório de ciências, assim como fazer saídas de pesquisa na comunidade, a horta escolar acaba se tornando um dos únicos ambientes em que essa interação entre teoria e prática se faz de verdade. 

A educação ambiental é um dos tópicos mais importantes a serem absorvidos pelas crianças, além de explorar sua relação com a natureza e os impactos que suas ações podem causar no sentido ecológico. É aí que os projetos de horta escolar se inserem, eles aproximam os estudantes da realidade, fazendo com que as crianças criem hábitos sustentáveis e ecologicamente corretos.

A horta serve objeto de estudo interdisciplinar. Os estudantes discutem temas como alimentação, nutrição e ecologia que, aliados ao trato com a terra e as plantas, geram situações de aprendizagem reais e diversificadas. Assim, os educadores devem dar o máximo de responsabilidades às crianças, inserindo-os nas discussões sobre o rumo do projeto e cuidados com as plantas.

Entre os benefícios alcançados com o projeto horta escolar, se destacam a produção e consumo de alimentos naturais pelos alunos, atividades ligadas à culinária na escola, troca de conhecimentos, inserção de assuntos como a economia doméstica, a influência nas escolhas alimentares das crianças, além de apresentar na prática as consequências que as ações do homem têm em relação ao meio ambiente.

As hortas também podem inserir a comunidade na escola, trazendo para o projeto os pais e familiares dos alunos. As crianças servem de multiplicadores, porque levam o que aprendem na escola para casa e, deste modo, a influência da horta não se restringe à escola.

O resultado do projeto horta na escola são alunos mais conscientes que levam para a vida ensinamentos ecológicos, amplificando a necessidade de uma mudança de postura que é preciso implantar na sociedade com relação à natureza.

Em Manaus, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) organizou, somente em 2018  52 novas hortas escolares. A este número somam-se as organizadas em 2017, que foram 49 unidades. Com o sucesso dos anos anteriores, mais escolas estão aderindo ao programa quem tem financiamento do Programa Dinheiro Direto na Escola (PPDE) Sustentável, do Ministério de Educação (MEC).

O programa de hortas escolares tem recebido apoio de parlamentares, populares e grandes empreendimentos como shoppings e outras empresas com vocação ambiental.

Segundo a subsecretária de gestão educacional, Euzeni Trajano “Essas parcerias sempre trazem algo muito bom para o ensino das nossas crianças. As hortas escolares permitem trabalham todos os elementos que podem ajudar no processo de aprendizagem, contribuindo com a educação integrada e transformadora”.

Elcimar Chagas, representante do Manauara Shopping, um dos parceiros, explicou que “O Manauara vai trabalhar com 10 escolas esse ano, usando a própria compostagem que produzimos a partir dos nossos resíduos orgânicos. Vamos visitar escolas que fazem parte do programa Mais Alfabetização e vamos fazer o treinamento dessas pessoas e a única contrapartida é que a escola se responsabilize em manter a horta. Nós criamos esse projeto porque acreditamos em uma sociedade melhor e em um meio ambiente mais saudável”.

A chefe da Divisão de Apoio a Gestão Escolar (Dage), Jussara Marques, ressaltou que além da alimentação saudável, as horas auxiliam no trabalho com as crianças questões como sustentabilidade. “Hoje é um momento de muita satisfação porque, entre outras coisas, é necessário trabalhar a sustentabilidade, algo importante no mundo, e esses laboratórios verdes nas nossas unidades servem para isso”, finaliza.

Afinal, um grande trabalho vem sendo desenvolvido e tem contribuído para mudar a prática educacional de muitas escolas.

REGISTRO FOTOGRÁFICO – OLINDA MARINHO
(CMEI Balbina Mestrinho e Escola Municipal Vista Alegre e Escola Municipal Isabel Victoria)

COMENTE ESTE POST...

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui