Mais de 369.000 hectares da floresta amazônica no Brasil, foram consumidos por queimadas apenas no período de 28 de maio à 25 de agosto

Durante este sábado, 5 de setembro, é celebrado o Dia da Amazônia.  A data tem o objetivo de promover debates e chamar atenção sobre a importância da preservação do local.  O dia 5 de setembro foi escolhido como uma forma de homenagem a criação da Província do Amazonas por D. Pedro II no ano de 1850.

A floresta amazônica tem mais de quatro milhões de quilômetros quadrados. Essa grandiosidade toda abrange nove países, sendo eles Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Paraguai, Peru, Suriname e Venezuela.

E em meio a constantes notícias sobre queimadas na floresta amazônica, o dia 5 de setembro visa alertar a população sobre questões ambientais. Além das queimadas, também existe outro grande problema, o desmatamento.

Durante estes últimos meses, mais de 500 incêndios florestais devastaram cerca de 369.000 hectares da floresta amazônica no Brasil, de acordo com os dados do satélite do Projeto de Monitoramento da Amazônia Andina (MAAP, na sigla em inglês). E sabe o que é mais alarmante? Isso foi apenas no período de 28 de maio à 25 de agosto.

O maior dos incêndios registrados neste período, ocorreu no norte do Brasil. No dia 17 de agosto foram perdidos quase 10.500 hectares de terra. Triste não é? E pode ficar ainda pior, isso porque a maioria destes casos não se deu de forma natural, como através de raios por exemplo, se deu a partir da ação do homem.

O principal motivo das queimadas na floresta é por pessoas que querem limpar áreas para mineração, pecuária ou por indústrias de cultivo de soja. A maior parte das “limpezas” se dá de forma ilegal, por pessoas associadas a uma rede criminosa.

E quem acredita que isso não é para se preocupar ou que é “assunto aumentado” pela mídia, se engana. Conforme os dados divulgados pelo governo federal, houve um aumento de 19,57% durante este ano, em relação ao registrado em junho de 2019.

Outro dado informado pelo governo federal é referente ao aumento de 55% de desmatamento em relação ao mesmo período do ano 2019. Conforme levantamento feito pelo Greenpeace, foram derrubadas cerca de 1.185.000.000 (um bilhão, cento e oitenta e cinco milhões) de árvores durante o período contabilizado entre agosto de 2017 e julho de 2017.

O desmatamento desenfreado afeta diretamente os ecossistemas da amazônia brasileira, que são os mais biodiversos do mundo. Além disso, destrói locais em que as comunidades indígenas dependem para sobreviver, ocasionam crises no clima e na saúde de todos.

A proporção do problema é tão grande que pode ser conferido do espaço. Um astronauta da NASA que está em missão na Estação Espacial Internacional (ISS), registrou e postou o Twitter uma imagem da fumaça das queimadas na Amazônia.

Na publicação ele escreveu que “a névoa que vemos sobre a Amazônia é na verdade fumaça das vastas queimadas da região. No centro desta foto, você vê uma grande concentração de fumaça”. Além disso, complementou com as hashtags “save the amazon” “save the planet”.

Outro objetivo do Dia da Amazônia é educar e incentivar a conscientização sobre ações sustentáveis, que possam ajudar a manter a vida na floresta. A preservação da biodiversidade local é extremamente importante.