Um novo estudo envolvendo 50 pesquisadores da área da saúde descobriu que o remédio antiviral remdesivir, projetado originalmente para o tratamento do ebola, reduziu o tempo de recuperação em pacientes de Covid-19 de uma média de 15 para 11 dias.

Metodologia

Em abril, resultados preliminares de um ensaio clínico na terceira fase indicaram que o remdesivir – uma droga que interfere com a capacidade do vírus de copiar seu RNA – poderia ser útil no tratamento do Covid-19.

Então, os cientistas decidiram testá-lo em 1.059 pacientes com a doença em 60 locais diferentes nos EUA, na Europa e na Ásia.

Durante dez dias, 538 deles foram tratados com remdesivir e 521 com placebo, enquanto eram avaliados diariamente para determinar fatores como gravidade dos sintomas e efeitos colaterais.

O objetivo dos cientistas era examinar quanto tempo um paciente levava para se recuperar de Covid-19 usando uma escala clínica de oito pontos que variava de “não hospitalizado” a níveis crescentes de cuidados necessários, até “morte”.

Os pesquisadores também acompanharam a mortalidade duas e quatro semanas após o início do tratamento.

Resultados

No geral, o tratamento com o remdesivir diminuiu o tempo de recuperação de um paciente (de 15 para 11 dias) em comparação com o placebo. Essa melhoria ocorreu independentemente do fato do paciente receber oxigênio suplementar.

Um dado importante é que o remédio pode ser aplicado a qualquer momento do tratamento, e não necessariamente logo após o aparecimento dos primeiros sintomas.

Inclusive, os participantes que se juntaram ao estudo depois de mais de dez dias do surgimento dos primeiros sinais da doença tiveram uma resposta melhor ao remdesivir do que aqueles que iniciaram a terapia nos primeiros dias sintomáticos.

Quanto à mortalidade, infelizmente, o estudo indicou que o remdesivir era apenas ligeiramente melhor que o placebo. No dia 15 de recuperação, o número total de mortes no grupo do remédio era 21, versus 28 no grupo do placebo.

Os cientistas não consideram esse valor estatisticamente significativo, embora uma análise da mortalidade 28 dias após o tratamento ainda esteja em andamento, uma vez que a pesquisa terminou no final de abril.

Remdesivir > hidroxicloroquina

De acordo com os pesquisadores, o tratamento com remdesivir provavelmente não é suficiente por si só, uma vez que tem um impacto moderado na mortalidade dos pacientes, na melhor das hipóteses.

Logo, estudos que combinem esse remédio com outras terapias ainda precisam ser explorados.

Dito isto, em comparação com outros estudos recentes sobre o efeito da hidroxicloroquina no Covid-19, especialmente um que sugere que a droga causa um aumento na mortalidade dos pacientes, o novo estudo deve definitivamente ser considerado um sucesso.

Ressalvas

A nova pesquisa foi alvo de alguma controvérsia por conta de uma mudança de parâmetros entre uma fase e outra.

Quando começou, em fevereiro de 2020, os cientistas estavam avaliando a recuperação dos pacientes através de sua saúde no dia 15 após o início do tratamento.

No entanto, no final de março, os estatísticos substituíram essa medida pelos resultados descritos acima (a escala clínica de oito pontos que é examinada até quatro semanas depois). Esse ajuste foi feito devido a uma crescente conscientização dos cientistas de que o Covid-19 era uma doença mais prolongada do que se pensava, e, portanto, fazia mais sentido estudar sua recuperação por 28 dias, e não apenas 15.

É importante lembrar que os pesquisadores não tiveram acesso aos dados mostrando quais participantes estavam recebendo a droga e qual o placebo, nem qualquer conhecimento dos resultados previamente, o que garante um “padrão ouro” na pesquisa médica.

Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica The New England Journal of Medicine. [ArsTechnica]