Segundo levantamento da Universidade Federal do Amazonas, são 75 mil casos a mais de Covid-19 do que mostram os números das autoridades de saúde.

No Norte do Brasil, um estudo da Universidade Federal do Amazonas estima que hoje existam 85 mil casos ativos da Covid-19 em Manaus. São 75 mil casos a mais do que os registros oficiais.

Oficialmente, o estado tem 17.181 casos confirmados e 1.235 mortes, mas o levantamento mostra que o número pode ser muito maior, com quase 70 mil casos a mais só em Manaus, e que 300 mil pessoas já podem ter contraído a doença na capital. Para chegar a esse prognóstico, foram considerados não apenas os casos confirmados do novo coronavírus, mas também as pessoas que se infectaram por doenças respiratórias graves, que estão muito acima da média mensal.

As conclusões do estudo foram fundamentais para o governo do Amazonas prorrogar as medidas de isolamento até o dia 31 de maio. O uso de máscara é obrigatório em todo o estado, está proibido o transporte intermunicipal e interestadual, e apenas o comércio que trabalha com serviços essenciais está funcionando.

Mesmo assim, a população está nas ruas da cidade: o congestionamento de carros é igual ao dos dias que antecederam a pandemia. Nesta quinta (14), a taxa de isolamento social está em 40%, abaixo do ideal, que é de 70%. O estado tem hospitais lotados, com taxa de ocupação de 86% dos leitos de UTI e, nos cemitérios públicos, os enterros são coletivos em valas comuns, por causa da superlotação.

“É até recomendável o distanciamento social mais rígido de 60% ou até, se possível, de 70%, para que a gente consiga ver uma verdadeira relação de redução de infectados em Manaus. Só será de fato possível de reduzir o número de infectados de forma significativa nas próximas semanas se nós tivermos uma adesão bem maior ainda ao distanciamento social e às medidas de contenção”, explicou Alexander Steinmetz, pesquisador da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).